Como me reinventei depois dos 40, e o futuro de Intensitude

0 Flares Filament.io 0 Flares ×

Quando encontramos algo novo é comum antes de nos envolvermos, entender exatamente onde estamos nos metendo, até porque não fazemos parte da geração que curte sem entender, compartilha sem ler e defende sem conhecer. Por este motivo resolvi contar a minha historia e a jornada que me levou a criação de Intensitude.

.

“SE VOCÊ NÃO CONSTRÓI O SEU SONHO, ALGUÉM VAI TE CONTRATAR PARA CONSTRUIR O DELES.”

Tony Gaskin

.

Bem vindos a uma parte da minha vida. Me chamo Ana Claudia, e tudo começou com a frase acima. Assim que li senti uma vertigem, como se o universo girasse dentro de mim. Passei o dia inteiro com a frase na cabeça. Tentei desviar a atenção entre os livros e nada. Final do dia chegando, e a vertigem ainda me consumia.

Eu trabalhava em uma editora, era responsável pelo departamento comercial e tínhamos títulos entre os 10 mais vendidos a mais de um ano, em todas as livrarias do país. Recebia um salário bem acima da média, décimo quarto salário, bônus mensais entre viagens, restaurantes e parques. Estava bem, mas não estava…

Tony Sellen

 

Mãe de uma menina de 4 anos na época (minha obra prima!!). A separação veio naturalmente, como excelente pai, nunca houve qualquer ausência ou negligência, muito pelo contrário, é um pai super presente, responsável e gentil.

Enfim, tem coisas que nem Freud explica…

Falando nele, Freud não o ex-marido, esta é a minha formação, psicologia. Apaixonada por livros e publicidade,  me especializei em comportamento de consumo, análise de público e potencial de venda.

O mercado editorial é muito dinâmico, a editora crescia, aproveitando os recordes. O escritório que na época ficava perto da minha casa, num bairro arborizado e tranqüilo na Granja Viana, já não comportava adequadamente todos. Resolveram mudar para um bairro mais central e moderninho – Jardins! Meus dias se tornaram um inferno da noite para o dia.

Antes caminhava em alamedas esverdeadas, respirando oxigênio semi-puro. No dia seguinte estava na Raposo Tavares, enfiada entre milhões de carros, pessoas, buzinas, num trajeto de 2 horas de ida, 2:30 de volta. Aquilo me consumia, e pior, consumindo o pouco tempo que tinha para ficar com a minha filha. Se chovia então o caos estava completo. Chegava em casa desesperada, cansada e com sentimento de culpa, sem ao menos ter culpa…

O barulho, a poluição, o trânsito e ansiedade me tiravam a concentração, a alegria e por fim a saúde. Não só a minha, mas a da minha filha também. Ela não tinha idade para compreender porque não passávamos mais tempo juntas, e entrou em um estado delicado. Fui chamada na escola, e soube que ela estava arrancando fio a fio os cabelos…Aquilo doeu pra caralho dentro de mim.

 

Image – © Anthony Soo

Me ofereceram um aumento, reduziram minha jornada em uma hora, me apoiaram para conseguir um imóvel próximo da empresa, mas claro, qualquer kitnet era duas vezes mais caro que a casa que eu vivia. A escolinha tinha o preço de uma universidade de medicina. Resolvi em um estado de completo esgotamento físico e mental rever tudo. Aluguei a casa onde morava e vim para o interior.

Agora precisa fazer algo, tentar construir o meu sonho, me reinventar. Não conseguia mais viver de relógio de ponto, de segundas à sextas, de metas e mais metas. Pensava dentro de mim, se alcancei as metas deles, o sonho deles, será que não consigo alcançar o meu? Estava certa, e errada ao mesmo tempo…

Escrevendo aqui parece tudo bem lógico, mas não é. Sair de uma carreira em uma editora em ascensão num país onde menos de 10% da população lê, foi difícil. Quem trabalha com livros sabe, somos todos meio alquimistas, apaixonado e loucos por livros. Abrir não de um fixo mensal e de uma posição respeitável, também não foi fácil. Sim porque as pessoas sempre querem saber o que você faz, até a minha filha me perguntava no que eu trabalhava. Ninguém quer saber se você está bem ou não, feliz ou não, ou quantos carnes você paga. Só querem saber o quanto você pode ostentar.  À propósito, fazendo uma busca rápida se descobre a origem, e o real significado de ostentação: em latim ostentatio, que significa exibição vã ou inútil. Nem preciso procurar mais, concordo fielmente!

 

“A vida não é encontrar a si mesmo. A vida é criar a si mesmo.”

George Bernard Shaw

.

Tive que assumir uma nova identidade, só minha. Com um computador, a rede de wi-fi emprestado da vizinha (minha gratidão Patrícia!), e começar a escrever desde o início, uma nova historia. Isso me amedrontava. O medo era tanto que tive crises de rosácea severas. Nunca havia ouvido falar disso antes. Ainda tenho algumas recaídas hoje em dia, mas controlo melhor meus sentimentos. Medito…

Foi inclusive nas minhas primeiras tentativas de meditar, que na época me proporcionavam mais confusão que relaxamento, que tive uma idéia… Como será que a minha geração estava sendo representada na rede? Fui até o computador pesquisar… Duas horas depois estava decepcionada!

Definitivamente aquela não era a imagem da minha geração, minha, dos meus amigos e amigas. Das pessoas com que eu trabalhava, admirava. Aquela não era nem de longe a imagem da minha mãe, que trabalha e tem 64 anos com pura energia. Pra falar a verdade, sem exagerar mesmo, aquelas imagens não representavam nem a minha avó, que visitava cada um dos 9 filhos esparramados pelo país, um mês cronometrado na casa de cada um deles pra não dar briga e favoritismo, nove meses viajando de lá pra cá.

Foto de um casal correndo nú em direção ao mar? Conteúdos visivelmente escritos por jovens, que não conseguem, não por incompetência, mas por inexperiência, expressar a essência e verdades da maturidade. Mensagens de “bom dia com alegria” com a imagem de gatinhos no cestinho brincando com novelos de lã. Que fique bem claro, não tenho nada contra, eu não tricoto, nem minha mãe. Novamente nem a minha avó tricotava. Faz tempo que envelhecer não tem nada a ver com linha e agulha de tricô.

 

Sem falar na quantidade de clichês que ofendem a inteligência, com frasezinhas “Viva a vida loucamente”, que “M” é essa?

Oiiiiii estamos bem! Obrigada! E por favor, coroa é a tua mentalidade. Terceira e melhor idade só se for para você! Meu nome é Ana Claudia, tenho 43 anos, e não vou fazer parte da ridícula segmentação de mercado de outro jovem publicitário, que não compreende a óbvia diferença entre idade cronológica (aquela que esta escrita no meu RG), e idade biológica (como me sinto). Tenho sim necessidades diferentes, percepções diferente, valores e comunicação, mas não estou disposta a viver no anonimato só porque a mídia, a publicidade e as empresas não se atualizam.

.

Foi a partir daí que iniciei o Intensitude, inaugurado em Abril de 2016. Um ano após, estamos crescendo com uma qualidade incrível de membros. Encontrei no decorrer do caminho muito aliados, que compartilham da mesma visão, pensamento, insatisfação e uma certa rebeldia. Profissionais que me ajudaram a somar publicações (escritores), design de moda e web e fotógrafo.

Todos com idade superior aos 40 anos, por isso o site e fanpage tem esta coerência e fluidez que todos comentam. Um grupo que compreende as necessidades e o direito de envelhecer em uma sociedade multicultural e igualitária. Que não aceita o reducionismo por idade e o tendencionismo em expor o envelhecer hoje, igual ao de 50 anos atrás.

Apresentações feitas, falta acrescentar – Acredito em cada passo que dei em direção ao que eu sou hoje e sigo apaixonada pela mulher que eu luto para ser! Mas chega de falar de mim, vamos falar de futuro.

 

Inauguramos em breve a CURADORIA INTENSITUDE! Um espaço para comemorarmos os desejos e anseios de uma geração com mais de 40, 50, 60+ anos. De modo à atender adequadamente este crescente público, ignorado e mal representado, desenvolvemos a primeira Curadoria projetada com base nos critérios que nossa geração valoriza:

  • Matéria prima de Qualidade. 
  • Modelagem com formas e proporções de um corpo real.
  • Elegante, estiloso e descontraído.

Nossa missão é clara: fazer que mulheres e homens olhem e se sintam confiantes e fabulosos. Com modelos simples e contemporâneos, que permitam que você componha diversos “visus” sem esforço, peças chaves e coringas.

A qualidade é o cerne da nossa missão. Tudo se inicia com a seleção e avaliação de marcas e produtos desenvolvidos com materiais superiores, excelente acabamento e prefeita adequação ao diferentes estilos, corpos e personalidades que compõe nossa geração.

Nossa equipe ficará atenta para que todas as peças selecionadas sejam produzidas e fabricadas de forma ética. Trabalharmos para entregar para você produtos de empresas que realmente desejam se comunicar, relacionar e conquistar o seu respeito, esperamos que você ame nossas escolhas!

 

Chegou a hora das empresas do século 21, atenderem as pessoas do século 21, e não apenas as de 21 anos!!

 

Talvez alguns de vocês pensem “lá vem os anúncios e banners”. Eu particularmente odeio entrar em um site e ser perseguida por banners, conteúdos duvidosos, poluição visual e caça níqueis. 

Você está entre os membros, conhece o cuidado das minhas postagens, minha relação emocional em cada comentário. Certamente leu alguns dos nossos conteúdos, sabe que prezo a valorização, a sua inteligência e experiência.

Por este motivo garanto que manterei o Intensitude igualmente rebelde, desafiador, despojado e Rock & Roll de sempre. Com seu bom gosto, relevância e uma dose extra de rebeldia.

Agradeço à todos por chegarem até aqui comigo, espero que possamos seguir juntos por muito anos.

Ana Claudia.

Fundadora e CEO Intensitude.com

 

Tenho certeza que você tem muito à acrescentar, adoraria ler e responder o seu comentário à baixo:

Comentários